Revisão da malha logística: entenda sua importância na obtenção de saving

De uns tempos para cá, o modal mais popular do Brasil, responsável pela movimentação de mais de 60% das mercadorias em solo nacional, vem buscando o saving mais do que nunca. Esse objetivo sempre esteve na mente dos gestores, tanto de embarcadoras quanto transportadoras, mas os reajustes no preço do combustível têm tornado a busca pela economia a palavra de ordem. Uma das formas de amenizar os custos cada vez mais altos da operação ― entre junho de 2021 e maio de 2022, o diesel acumulou uma alta de 80,9% ― é com a revisão da malha logística.

Felizmente, as inovações trazidas pela Logística 4.0 são muitas e bastante proveitosas. Com elas, dá para determinar rotas mais eficientes, que exigem menos dos motoristas e caminhões, além de gerar dados sobre os parceiros que embasam as decisões. As informações coletadas nas viagens, por sinal, são a matéria-prima para planejamentos mais afinados e capazes de garantir o saving.

Mas se tudo isso é novidade para você, fique tranquilo! Até o fim deste artigo, saberá por onde começar a revisão da malha logística e como uma parceria estratégica pode ser a sua grande aliada nessa tarefa. Acompanhe!

Malha logística: o que é e quando revisar?

O conceito de malha logística vai além das rotas que os caminhões utilizam para efetuar as entregas. Na verdade, ele engloba toda a cadeia, desde a produção, estocagem, centros de distribuição e os demais players da supply chain. Embora seja complexo e conte com várias frentes, a boa notícia é que, ao realizar uma revisão, cada um desses pontos pode ser otimizado.

O primeiro passo para alcançar isso, sem dúvidas, é realizar o mapeamento de todos os envolvidos na malha logística. Porém, esse processo não deve acontecer apenas uma vez. Com um mercado mais volátil, onde cada alteração pode ter impacto no seu negócio, a recomendação é que ela seja revisada periodicamente.

Ao realizar essa tarefa, alguns pontos são essenciais de serem observados. São eles:

  • análise da rede logística atual com base nos dados de cada um dos envolvidos, inclusive os custos;
  • levantamento de novas opções, seja de parceiros ou de organização logística;
  • monitoramento constante do desempenho da malha logística.

Como o objetivo é a obtenção de saving, todos os tópicos acima incluem a avaliação dos custos envolvidos. No segundo ponto, por sinal, isso é ainda mais relevante, já que faz com que os gestores realizem um benchmark, onde podem ser identificados gargalos importantes.

Por que contar com um parceiro estratégico na hora de revisar a malha logística?

Como você pôde ver, a revisão da malha logística deve acontecer com frequência se o saving for o seu objetivo. Acontece que quem trabalha com o transporte de mercadorias tem, diariamente, uma série de tarefas que não podem esperar. Roteirizar as novas viagens, negociar com os motoristas e emitir documentos são apenas alguns exemplos.

Por isso, é cada vez mais comum encontrar embarcadores e transportadores que recorrem à ajuda especializada na hora de reavaliar a malha logística. Desse modo, os profissionais envolvidos na operação não ficam sobrecarregados com mais esse trabalho.

Entretanto, existe outro fator que contribui para que essa seja a escolha acertada. Estamos falando do envolvimento de um terceirizado, que analisará friamente os dados em busca dos gargalos e suas respectivas soluções. Isso é especialmente importante nas empresas onde os players já se relacionam há muito tempo, situação que pode levar os gestores a darem prioridade ao relacionamento, não aos resultados.

Além do mais, a expertise do parceiro contribui muito para uma malha logística eficiente. Nesse trabalho, ele buscará:

  • gerar maior integração entre os elos da cadeia;
  • aumentar a eficiência da gestão logística;
  • proporcionar resultados tangíveis;
  • otimizar a utilização de ativos;
  • melhorar o nível de serviço;
  • reduzir custos.

Além da malha logística: quais outros serviços podem ser terceirizados?

Assim como já acontece na área de compras, uma série de serviços já podem ser delegados a empresas parceiras. Como mencionamos, a revisão da malha logística é um dos principais. Porém, também é possível contar com uma ajuda especializada em relação a outros pontos importantes da gestão. Veja, a seguir, alguns deles.

  • Outsourcing da torre de controle: contratação de um equipe externa que, aliando tecnologia e serviço, irá gerenciar e executar os processos de transportes, realizando a interface com os diferentes players da cadeia.
  • Otimização da operação: identificação de sinergias, circuitos estáticos ou dinâmicos, dimensionamento de frota, calendarização, entre outros, a fim de mapear as oportunidades de melhoria.
  • Sourcing de frete e armazenagem: a partir da simulação de cenários, são selecionados novos parceiros logísticos com base nos modelos de contratação já utilizados.
  • Consultoria: aqui são analisados aspectos estratégicos e operacionais para garantir a viabilidade dos negócios.

Todos esses serviços e cuidados são imprescindíveis para quem quer manter a competitividade no setor de transportes. Afinal, há pouco tempo não haviam tantas tecnologias e inteligência de dados à disposição e, agora, com essa disponibilidade, saber aproveitá-los é o que pode diferenciá-lo da concorrência.

Agora que você já conhece o conceito de malha logística e a importância de revisá-la periodicamente, leia também sobre “Logística integrada: quais as vantagens de implementar na sua empresa?”.

Compartilhar: 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin