3 erros na seleção de fornecedores que prejudicam seus resultados

seleção de fornecedores

Já mostramos aqui no blog alguns pontos de atenção na hora de fazer a homologação dos parceiros de negócios. Mas, hoje, daremos um passo atrás e falaremos sobre uma etapa anterior a essa: a seleção de fornecedores. Isso porque ignorar algumas questões nesse momento pode gerar consequências sérias, como o risco de desabastecimento e a interrupção da produção. Então, ter em mente quais são os principais pontos de atenção ajudará os profissionais de suprimentos a escolher os melhores parceiros.

Neste artigo, trouxemos três erros bem comuns ao fazer a seleção de fornecedores. Leia com atenção e veja se a sua equipe também vem praticando esses equívocos.

3 erros na seleção de fornecedores que sua área de compras não pode cometer

1. Ficar restrito a apenas uma opção

Realizar a seleção de fornecedores é apenas mais uma das tarefas envolvidas na rotina dos profissionais. Algumas delas, por sinal, talvez devessem estar recebendo mais atenção que essa busca. Logo, não é raro encontrar quem encerre a triagem já na primeira opção encontrada. Porém essa é uma atitude que tem grande potencial de gerar problemas. O primeiro deles é que, ao considerar apenas o preço, são ignorados aspectos menos tangíveis, como reputação e histórico, que afetam a imagem do negócio.

Outro ponto, válido tanto para a seleção de fornecedores quanto para a gestão, é que a dependência nunca é uma boa ideia. Compradores de alto nível sempre têm em mãos um plano B. Assim, mesmo que o fornecedor principal tenha um imprevisto, os níveis de estoques não precisarão sofrer com o desabastecimento.

2. Não fazer uma pesquisa de mercado

Fazer um levantamento aprofundado sobre o fornecedor é uma atitude que evitará muita dor de cabeça no futuro. Essa pesquisa de mercado engloba diversos aspectos:

  • reputação: ninguém melhor para falar do desempenho de um vendedor que alguém que já foi cliente. Buscar essas referências fará com que você tenha uma ideia do que esperar assim que o contrato for fechado;
  • financeiro: falências e inadimplências podem ser um forte indicativo de que este não é um fornecedor confiável;
  • legislação: avalie a conformidade do potencial parceiro às leis e certificações obrigatórias;
  • logísticos: confira se não há histórico de fraudes nas entregas ou entregas parciais.

Ainda, deve-se checar se o preço que o fornecedor oferece está alinhado às práticas de mercado de outras empresas. Isso ajudará a perceber se o preço praticado está muito acima ou abaixo dos concorrentes. Lembrando que ambos os casos são motivo para uma investigação mais profunda.

3. Ignorar o ESG

Procurar por parceiros que adotem o ESG (Environmental, Social and Governance) é uma forma de construir uma imagem positiva em toda a cadeia, especialmente junto ao seu cliente final. Inclusive, a supply chain tem um papel essencial no desenvolvimento desse conceito. Se o termo ainda é novidade para você, é importante saber que ele se refere às práticas ambientais, sociais e de governança de uma organização. Assim, olhar com cuidado as diretrizes daqueles com os quais você negocia é uma forma de se adequar às novas exigências dos consumidores.

Para se ter uma ideia do reflexo desse tema no comportamento de consumo, 74% dos brasileiros tratam a sustentabilidade como um fator decisório para fechar negócio. Dessa forma, fica claro que a seleção de fornecedores deve considerar as políticas do potencial parceiro tanto quanto as condições de pagamento oferecidas por ele.

Como a tecnologia pode levar a uma seleção de fornecedores mais assertiva

Com a chegada das tecnologias de procurement, todos os erros citados neste artigo podem ser facilmente sanados. Afinal, a seleção de fornecedores já não precisa ser uma tarefa operacional que diminui a produtividade da equipe de compras. Para mostrar como essas inovações funcionam na prática, traremos o Nimbi Private como exemplo.

Ele é um marketplace para compras corporativas com mais de 300 mil empresas e 400 mil itens pré-negociados. Nele, os profissionais de suprimentos têm acesso a todos os fornecedores, nacionais e regionais, previamente qualificados. Isso quer dizer que eles passaram por uma primeira avaliação e estão aptos a oferecerem seus portfólios na plataforma.

Porém a Nimbi, desenvolvedora da plataforma, sabe que cada empresa tem suas políticas e particularidades. Levando esse fato em conta, todos os clientes que aderem à ferramenta estipulam seus critérios de seleção. Tipo de frete, locais de entrega, condições de pagamento e outros detalhes permitem montar um catálogo personalizado, com os parceiros que realmente importam para a sua equipe de suprimentos.

Como você pode imaginar, ao contar com essa tecnologia, muito trabalho é automatizado. Isso permite que os profissionais possam desenvolver novos fornecedores de maneira simples, ágil e assertiva. Ao deixar essa tarefa com a tecnologia, eles podem se dedicar a questões mais estratégicas. Além de se envolverem em atividades que os elevem ao patamar de verdadeiros profissionais de Compras 4.0.

E aí, pronto para resolver os principais problemas envolvidos na seleção de fornecedores? Então entre em contato com a Nimbi e solicite uma demonstração gratuita!

Compartilhar: 

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin